Há que saber abrandar

No mundo atual há uma enorme confusão instalada nas ruas, nas empresas, nos shoppings e nas nossas cabeças. Por vezes, somos tão consumidos pela rotina e todas as tarefas que temos por completar que esquecemos-nos de coisas tão simples como comer. O stress é de tal forma acumulador que nos tira o sono, a fome e a boa disposição. Nem sempre teremos o mesmo rendimento, porque, afinal, não somos máquinas e cada um trabalha ao seu ritmo.

Nas últimas semanas, vi-me num estado lastimável: apressada e stressada mais que o costume, ansiedade a mil, coração aos pulos, mãos e pernas a tremer. A ansiedade foi tanta e o medo de falhar também, que vi-me num ponto em que ao refletir, vi que estava a entrar num caminho de todo desnecessário.

Comecei a pôr na minha cabeça que todos falhamos. Não somos perfeitos, nem tampouco somos máquinas. Somos humanos, erramos, esquecemos de dizer algo quando deveríamos, não dizemos tudo e depois culpamos-nos por isso. Se determinada apresentação não correu a 100% como idealizamos, não há qualquer problema nisso.

O nosso problema é exigirmos demasiado.

De nós, das pessoas e de tudo, no geral. Queremos sempre ser os melhores, superar expectativas altíssimas e estar no topo. Nem sempre será assim. Há que aceitar isso mesmo. Por vezes, as expectativas terão de baixar a um nível médio – aquele que sabemos que conseguiremos atingir, sem problemas –, e só assim chegaremos mais longe ou conseguiremos concluir o esperado.

Ao ansiarmos ser os melhores teremos de ter a perfeita noção do que isso implica. Implica noites em branco, stress, ataques de pânico (algum sempre acontece, pelo meio), ansiedade e a lista é interminável. Por isso mesmo, o desacelerar é importantíssimo.

Se não estás a dar conta do recado, porque não páras um pouco? Reflete sobre o que sentes. Será mesmo isso que queres? Estar no topo? A que custo? Esse objetivo vale mais que a tua saúde?

Há que saber abrandar o ritmo!

Finalmente aceitei, tal como mencionei anteriormente, o facto de não ser uma máquina. Não correu como esperava? Paciência. Se sei que fiz o melhor que pude, então não devo culpar-me por isso. Acontece. Foram tantos os erros que cometi ao longo dos anos, que só agora apercebi-me de todos eles. E é horrível entender que na maioria do tempo levamos o nosso cérebro à exaustão, de tanto nos esforçarmos nalgo que simplesmente tinha de fluir.

Focava toda a minha atenção num único objetivo/projeto, que não me permitia viver e conviver com as pessoas que gostava.

Ficar sempre focada num único objetivo, e deixar de lado todos aqueles que nos amam é estar a um passo de falhar. Acreditem. Vai haver algum erro e o maior deles é mesmo perder quem mais gostamos.

Aprendam que abrandar é essencial, parar então por uns dias e descansar também é necessário. Quando o stress estiver instalado pratiquem yoga, meditem e descansem muito. Terão mais energia depois, já não voltarão para o “trabalho” frustrados e tudo irá fluir melhor. E lembrem-se sempre que, não devemos estar focados 24/24h num único projeto e deixar a vida passar.

Aproveitem tudo ao máximo!

Share Button
  1. Viver com ansiedade é muito mau que muita gente não faz ideia. O melhor mesmo é praticar yoga, meditação como recomendas, fazer exercício físico e algo que eu adoro: as caminhadas. Só eu e a natureza faz-me mil vezes bem!
    Beijinhos

    1. É mesmo. Nada como caminhar e apreciar a natureza, não é? Beijinhos 😘

  2. É fundamental aprendermos a reequilibrar expectativas, porque há variáveis que não conseguimos controlar. Claro que nos devemos desafiar a ser melhores, mas sempre com a preocupação de não excedermos as nossas capacidades reais. Colocarmos a nossa saúde, a nossa sanidade e o nosso bem-estar em causa não é aceitável, além de que só nos levará por um caminho oposto do que pretendemos.
    Não temos que estar constantemente bem. Não temos que fazer tudo na perfeição. Lá está, não somos máquinas. Vamos errar, vamos falhar, vamos cair, mas não faz mal. Porque se a nossa paz de espírito não estiver comprometida, arranjamos forma de nos reerguermos e de voltar a tentar.
    A vida não tem que ser vivida a correr. Por isso, abrandar devia ser uma prioridade.

    r: Custa muito quando determinada pessoa sai da nossa vida, mas acho que ainda custa mais quando permanece e vemos que a ligação se começa a tornar tóxica.
    Acredito muito que tudo acontece por alguma razão. Nem sempre o compreendemos logo, mas acabará por fazer sentido.
    Verdade, ao estarmos constantemente disponíveis vão acabar por se aproveitar da nossa boa vontade. E, em parte, a culpa é nossa, porque habituamos as pessoas a isso.

    Muito obrigada *-*
    Beijinho grande <3

    1. Exatamente. Há que priorizar isso mesmo.

      A nossa ligação já estava num caminho tóxico, mas custa-me saber que terminou sem motivo e já passou um mês e não descobri o motivo. Parece que não conseguirei seguir em frente enquanto não souber um motivo válido. Sim, tudo acontece por um motivo e apesar de estar sem rumo agora, tenho ainda muitas pessoas às costas e muitos projetos por terminar. Há que lutar por isso. Infelizmente sempre habituei as pessoas a que qualquer coisa que precisassem estava sempre presente e disponível. É sempre o meu erro: estar sempre disponível e ser boazinha demais com as pessoas que não merecem. Beijinhos 😘

  3. obrigado minha querida 😀
    É super fácil de fazer 😛 Tanto aquele como os restantes ehehe 😀

    Tenho pensado imenso nisto… se bem que já fui mais obstinado. E tudo muito em relação ao blog. A mina vida sempre se focou muito neste projeto, e ainda foca, mas houve uma altura em que me coibia de sair, de estar, só porque tinha de trabalhar. Percebi que tinha de fazer as coisas que, muitas das vezes, foram feitas de forma como que obrigatória… e isso é errado 🙂

    1. É mesmo errado fazer algo por obrigação, pois desmotiva-nos imenso, infelizmente. Ainda bem que tens pensando em abrandar um pouco, porque só faz bem. Beijinhos 😘

  4. Saber parar tem de ser balanceado com o ter de andar. E por vezes não é fácil. Gostei.

    1. Pois é. Mas há que parar também, mesmo que seja difícil.

  5. Gostei, e identifico-me bastante com este texto, por mim e por outras pessoas à minha volta que deviam abrir os olhos.
    Parabéns pelo texto e mensagem 🙂
    Beijinhos

    Creative Frog

    1. Fico feliz por saber isso querida. Muito obrigada! Beijinhos 😘

  6. Gostei muito do texto. O problema é que queremos fazer tanta coisa e não há tempo para isso que vivemos em constante stress. 🙁
    beijinho

    1. Pois é. Há que saber reorganizar as prioridades e haverá tempo para tudo, sem stress. Beijinhos 😘

  7. Julieta says: Responder

    Olá! Gostei muito do que li 🙂 É preciso aprender a ter calma, (por vezes).
    Um beijinho,
    Julieta

    1. É mesmo. Fico contente que gostaste. Beijinhos 😘

  8. Levei tanto tempo a meter isso na minha cabeça… Viver devagar faz com que façamos as coisas ainda melhor e com mais consciência. Gostei muito, um beijinho, joana

    1. Exatamente. Infelizmente colocamos as coisas na cabeça já um pouco tarde. Beijinhos 💙

Deixe uma resposta