Finalmente, encontrei-te

Estava perto dos teus lábios, prestes a tocar-lhes pela primeira vez, quando abri os olhos e apercebi-me que na minha frente não estavas. E ao não ver os teus olhos profundos chorei. Chorei como nunca. Como uma louca, como apaixonada que estava.

Vi-me dentro dos teus olhos cor de mel e vi-me tão tua e tu tão meu. O beijo tão perto, o amor tão fugaz, o teu riso angelical e as palavras mais doces de sempre. Fechara os olhos entretanto, tentando por força voltar ao sonho, ao sonho que era ter-te na minha vida. Mas ter-te mais do que eras na realidade.

Não era real. Não tinha-te visto pessoalmente sequer, não tinha ouvido a tua voz nem por chamada, não sabia o tom da tua gargalhada e calmamente, sentia-me triste por não conseguir amar-te por inteiro. Até quando iria bastar-me ter-te por palavras apenas? Até quando iria aguentar o atraso para te encontrar?

Vesti-me desajeitadamente. Não passei nada no rosto – afinal, não era de pessoas naturais que gostavas? Deixei os cabelos ao vento e saí indo procurar o amor que era meu. Esse amor que crescia dentro de mim como nunca antes tinha sentido. A viagem até ao sítio onde moravas foi a mais inquieta e a mais demorada de toda a minha vida. Parei o carro em zona proibida e ainda assim, não quis saber.

Procurei-te em todas as ruas, jardins, campos de futebol, ginásios e quando estava a descansar, encontrei-te numa rua onde já passara. Por um segundo pensei que não eras tu. A figura esbelta, corpo musculoso, cabelo melado, roupa colada ao corpo, suor descendo os teus braços e quando viraste-te para correr, vi-te o rosto. Era inacreditável. Estavas ali. Bem na minha frente. Depois de tantos desencontros, encontrei-te. Paraste de correr. A princípio não sabia como irias reagir, ficando com imenso receio. O teu rosto sério inquietava-me, porém, sem nem antes pensar, caminhei até ti, trémula mas confiante.

Ouvia a tua respiração ofegante de longe e mesmo sabendo que estavas suado, abracei-te. Uns segundos passaram até que retribuísses o abraço. Murmuraste que irias sujar-me. Não importava. Não mais. E quando deixei-te e gargalhaste timidamente quis chorar de alegria porque porra, tu eras real! Tu eras o mesmo, tanto por mensagem como pessoalmente. E porra, eu conhecia a pessoa mais genuína e iluminada de sempre. E acima de tudo, amava-te num todo. E dizia-te, ainda que a minha voz falhasse imenso, que finamente tinha tido coragem para ir atrás do que mais amava. E ter-te tão perto de mim, de novo, era surreal.

Éramos dois seres completos querendo ser um só. E fomos, assim que juntaste as nossas almas para sempre. Afinal, plantaste luz num local esquecido e abandonado, quando nenhum outro alguém tinha sido capaz. O homem que via nos meus sonhos sempre tinhas sido tu. Levei tempo, mas finalmente encontrei-te.

Share Button
  1. Cassy Frost says: Responder

    Acho que estou a “suar pela vista”. Que bonitinho! Tragam um potinho para meter lá estes dois

    1. É mesmo! Beijinhos <3

  2. Há alturas em que a nossa vida parece mesmo uma sucessão de desencontros. Mas quando, finalmente, parecemos estabilizar e esse encontro acontece é indescritível. E, claro, aconchega-nos o coração perceber que a pessoa é exatamente como sempre demonstrou.

    Adorei o texto, minha querida *-*

    Beijinho grande <3

    1. É mesmo. Por vezes, o nosso medo também dificulta, pois sempre podemos nos desiludir.

      Muito obrigada! Beijinhos 😀

  3. Muito amor ❤ lindo

    1. Muito obrigada 😀

  4. Muito amor ❤ gostei beijinho

    1. Muito obrigada! Beijinhos

  5. Gostei bastante do texto.
    A ver se desta vez regista.
    Escrito com a paixão que a escrita merece:-)

    1. Muito obrigada! Beijinhos 😀

  6. escreves muito bem e não o digo só por dizer, gostei bastante do que li e dás uma boa perspectiva do momento em si, muito bom! continua ❤

    1. Awwn muito obrigada querida. 💙 Beijinhos 😘

  7. Muito cativante o texto, mágico, entusiasmante***
    Quero mais!!!
    Beijinhos**

    1. Muito obrigada! Beijinhos 😘

  8. Ando tão melancólica que qualquer texto que envolva este tipo de sentimento me aquece! Ainda para mais que a história que tenho começou muito antes de conhecer a voz, o cheiro, a gargalhada ou o toque… Tal como aqui
    Adorei Carol!

    Um beijinho,
    piquimads

    goasfar-asyoucan.blogspot.com

    1. Ohh então entendo porque gostaste tanto. Muito obrigada querida. Fico feliz por teres gostado. Beijinhos 😚😚

  9. Obrigado, meu bem!
    E que te mantenhas sempre, e em qualquer situação, com esse pensamento forte. Amor próprio é a nossa melhor atitude 🙂 De verdade!

    Meu Deus! Que texto mais lindo e tão intenso. Impossível não ficar ofegante, de igual modo, com a leitura 😀 “Melhor do que aquilo que tu procuras, é aquilo em que tropeças!”. A vida será sempre feita de desencontros e só as verdadeiras almas gémeas, se encontram do acaso 🙂

    NEW FASHION POST | TREND ALERT: 90’S SUNNIES ARE BACK :O
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me 😀

    1. Não poderia dizer melhor Miguel. São vários desencontros, mas quando finalmente se encontram é para sempre (ainda acredito nisto ahah). Amor próprio sempre! Beijinhos 😚

Deixe uma resposta