Durante anos quis ter outro corpo

No outro dia gelei ao ler uma publicação no Lolly Taste. Passei exatamente 17 anos a desejar um corpo que não era o meu, e que sinceramente nunca o seria.

A realidade é que a culpa nem é do pobre coitado corpo, mas sim da nossa cabeça. Sim, essa que nos mata antes de sequer levarmos um tiro. O psicológico, por mais que digam que não, influencia imenso. Tal como já vos referi, gosto mais de mim e aceito-me mais com este corpo, do que com aquele em que se viam os meus ossos e parecia mesmo que estava doente. Na verdade, eu estava mesmo doente, só que era mentalmente.

Andei anos a fugir das praias.

Das praias, de me mostrar – como se de uma revista me tratasse, pois era assim que pensava na altura –, de sequer tentar usar aqueles shorts mais curtos porque via-se a celulite e uma data de estrias, que deixem-me dizê-lo que já passaram por muito. Tirar fotografias também era um sufoco. Tirava imensas, não gostava de nenhuma. Maioritariamente, só gostava as que não eram de corpo inteiro e ainda assim havia umas quantas tentativas antes da “ideal”.

Privei-me de imensa coisa que hoje em dia, ao ver tudo isto tenho pena de não ter feito coisas que gostava.

Murmurei tanta coisa infeliz ao meu corpo, que hoje tenho vergonha de as dizer em voz alta. Uma vez, fiz um seguinte exercício: olhar para uma amiga minha e dizer tudo o que gostava nela, tanto de corpo como de personalidade. Correu bem. Ela também não aceitava o corpo que tinha, mas nela vi tanta coisa que gostaria de ter. Quando chegou à minha vez, de olhar para mim mesma e murmurar o que gostava, não consegui dizer uma única frase positiva. Terminei por dizer tudo o que não gostava.

Não gosto dessas estrias na barriga. Odeio os meus braços pois estão caídos. Detesto as minhas pernas.

E por aí continuou porque, caso não saibam, sou a pessoa mais crítica à face da terra, com os outros e comigo própria. Por isso não foram só umas simples três frases, foram várias. Criticava desde a ponta do pé, até à ponta do cabelo.

Depois de um serviço enorme com a banda, em que muitas vezes eram 8 horas fora de casa, a andar e a tocar, sentia-me orgulhosa pois tinha suado bastante, andado imenso e já perdia mais uns quilinhos. Nas festas da Vila, aí já culpava-me. Fazia todo o percurso e ao parar na casa do mordomo da festa comia sempre doces. E depois o que é que acontecia? Era como se me beliscasse por inteiro, por ter comido apenas dois quadrados brasileiros.

Os dentes sempre foram um problema.

Após os meus 5 anos, a dentição de leite começou devagarinho, a desaparecer, dando vida assim a dentes que odiava. Agora ainda se nota uma enorme diferença entre eles, mais necessariamente nos dois superiores frontais, mas não tanto como antes. Era só isso o que faziam-me odiá-los? Não. O facto de serem grandes demais (mais do que o comum), um deles ser 2 em 1 (nasceram dois dentes, no formato de um) e de um ter-se partido, era uma coisa que matava-me por dentro.

Não ria sem ter a mão na boca. Sorrir só com os lábios. Falava de forma a que não se vissem os dentes, e acima de tudo evitava comentários, pois remoía-me ainda mais por dentro. Quando limei o maior dente (o 2 em 1) e coloquei resina, ficou um tanto melhor. Posso dizer-vos com toda a sinceridade do muito que não estou completamente satisfeita com eles, mas aceito-os. Fazem parte de mim, fazem de mim alguém diferente e especial por os ter. Sei perfeitamente, que foi devido à cortisona presente na querida bomba da asma, que tomava todos os dias, porém era algo que necessitava. [Hoje já não tomo bomba.]

Necessariamente, a aceitação é um passo difícil e muitas vezes complicado. Até lá chegarmos, há vários obstáculos pelo meio e imensas dúvidas. Não só há que reeducar a nossa alimentação, como também a nossa forma de pensar sobre o nosso corpo, que é o único que mais sofre com todas as transições de peso e culpa. Porque dizia mesmo que a culpa era do corpo! Porque queria ter tido um corpo, como os das outras raparigas da minha idade! Como se ter outro corpo fosse como ir a uma loja comprar roupa. Felizmente, as mentalidades mudam.

× 8 coisas que diria ao meu “eu” mais novo

Em toda esta experiência de perde-engorda aprendi que os maiores julgamentos não vivem, nem nas cabeças das outras pessoas, nem na forma como olham-nos, mas sim nas nossas cabeças. Somos nós que criticamos pelo mundo todo e arredores.

Seja qual for, o corpo que tenhas, tendo ele excesso de peso ou não, aceita-o e aceita-te. Será uma mudança enorme só por isso. O resto, com uma alimentação saudável e esforço, todos nós conseguimos, basta querermos. E também, que seja de forma a serem saudáveis e não de forma, a conseguirem alcançar beleza, pois já nasceram com ela (procurem-na).

Share Button
  1. Muito interessante este post, relacionado com a velha questão de que nunca estamos satisfeitos com o que temos.

    1. É mesmo querida. 💙 Beijinhos

  2. Também passo por algo assim … mas não consigo ainda aceitar-me!!
    É algo muito muito difícil!!

    Beijinhos
    https://titicadeia.blogspot.pt/

    1. É algo difícil mas é só uma fase. Eu levei 17 anos a aceitar-me, há quem leve menos tempo, há quem leve mais. Tenho a certeza que vais conseguir aceitar-te em breve. Beijinhos minha querida e força! 💙

  3. Helena Raquel says: Responder

    Identifiquei-me 😡 eu gostava de gostar mais de mim, do meu corpo…mas é tanta publicidade, são tantas fotos de pessoas “perfeitas” que acabo a olhar ao espelho e por vezes não gostar do que vejo. Mas com o tempo tenho vindo a tentar mudar esse aspeto
    Beijinhos

    1. É normal. A pressão social e as revistas principalmente fazem-nos ficar com receio quando olhamos no espelho. Espero que consigas mudar esse aspecto querida. Beijinhos 💙

  4. Concordo a cem por cento, o cérebro humano e máquina mais complexa que existe. Para o bem e para o mal. Consegue transformar toda a nossa vida num inferno assim não saibamos mante lo. Gostei

    1. Exatamente. É algo que levamos algum tempo a perceber e a controlar, mas quando conseguimos é maravilhoso. 😀

  5. Gostava de chegar a essa fase, da aceitação. Há muita coisa que não gosto em mim, que não me “mata”, mas “mói”. Quem sabe se a leitura do teu texto não me ajuda a encontra mais coisas que goste em mim?

    1. Espero mesmo que ajude. Há que ter em mente que todos passamos por essa fase e ela irá passar. Acredita que sim. Espero mesmo que consigas chegar à fase da aceitação. Beijinhos 💙

  6. É de nós ser humano nunca estar satisfeito com o que tem , mas não é o corpo que nos define apesar de isso contar imenso tanto aos outros e até mesmo a nós … Ama-te em primeiro lugar , o resto vem por acréscimo !

    1. Exatamente. É isso mesmo que penso. Muito obrigada. 😀

  7. Infelizmente, nunca estamos satisfeitos com o que temos nem como somos, falo por experiência própria, tendo em conta que também não consigo aceitar o meu corpo como ele é… Mas adorei o que escreveste e vai ajudar-me imenso!

    beijinho grande

    1. Normalmente, nunca conseguimos aceitar, mas são tudo fases e essa irá passar também querida. Espero mesmo que o post te sirva de inspiração. Beijinhos <3

  8. Revi-me em tantas palavras que li aqui. Acho mesmo que todos nós passamos por fases (como essa maluca da adolescência) em que conseguimos encontrar tudo o que há (ou parece haver) de mal connosco. Só mais tarde, com alguma sabedoria à mistura, começamos a perceber o quão importante é aceitarmo-nos por aquilo que somos e saber jogar com isso a nossa favor. Excelente introspecção.

    1. Exato. A adolescência é mesmo das melhores e piores fases de sempre, mas aprendemos imenso durante a mesma. Quando atingimos o equilibrio e deixamos de ter tanto a mentalidade do “por fora é que interessa” tudo muda. Beijinhos 💙

  9. Adorei este texto. Infelizmente penso que todos ou já passámos ou estamos a passar por esta fase. Eu própria tenho dias em que não me sinto bem. Mas no geral gosto de mim e isso é realmente essencial, sobretudo, para podermos viver. Acredito que este texto possa ajudar muita gente. Pessoas que se vão identificar e quem sabe começar por se aceitar!! Eu acredito que todos temos beleza, cada um à sua maneira!!

    Blog: http://bolacha-mariaa.blogspot.pt/
    Projeto: http://ajudaoplanetaesalvaomundo.blogspot.pt/

    1. Todos temos beleza e o melhor é mesmo a essência. Acho super importante haver equilíbrio entre a mente e o corpo. Muitas vezes é a mente que dificulta todo o processo de aceitação. Beijinhos 💙

  10. É sempre inspirador ver este tipo de publicações que já são a cara deste blog. Adoro os teus posts mais íntimos, sinto que me identifico com eles 🙂
    Obrigada, sempre <3

    Miss DeBlogger | missdeblogger.blogspot.pt

    1. Awwn muito obrigada querida! Tento sempre trazer algo inspirador para que possam ver que se eu consegui ultrapassar, também vão conseguir. Muitos beijinhos 💙

  11. Quando a nossa auto-estima está em baixo, é extremamente complicado olharmos para aquilo que temos de melhor. E, claro, começamos a ter vergonha do que somos, procuramos escondermo-nos e parece que o abismo está demasiado perto. E acho que a culpa também é muito de pressões externas, porque nos “ensinam” que há um tipo de corpo ideal, quando isso não é verdade. O mais importante será sempre a nossa saúde e aprendermos a olhar para o espelho com gosto.
    Compreendo bem cada palavra, até porque já as senti na pele, mas hoje sei que tenho uma relação muito melhor comigo!

    Excelente publicação, minha querida <3

    1. Infelizmente é como digo: uma mente doente sempre irá achar que o corpo não é suficiente. Será sempre assim. Temos sempre de passar por coisas assim. É normal. Beijinhos 💙

  12. r: Guardaste-o mesmo bem ahahahah :p

    Fico contente por teres gostado, minha querida!

    Sem dúvida, a escrita dela é maravilhosa e consegue sempre surpreender *.*
    Pois é, mas continuo a acreditar que seja possível

    Muito, muito obrigada!
    Sim, quando a história é envolvente quase que a devoramos. E isso é tão bom 😀

    Beijinho grande

    1. É mesmo. Não sei onde está até hoje (risos). Beijinhos 💙

  13. Eu preocupo-me mais com a saúde do que com a própria imagem que o corpo transmite… Este metabolismo devia ser multado por excesso de velocidade 😂😂 Adorei o post, fantástico como sempre

    1. Exato. Também já preocupo-me mais com isso do que com o próprio corpo. Muito obrigada querida 💙 beijinhos

  14. Ola ..
    Felizmente tudoo na vida é passageiro e tudo vai passar.Bjs

    1. Exato. Não poderia concordar mais. Beijinhos 💙

  15. Não podia concordar mais! Apesar de viver bem comigo na maior parte do tempo, há alturas em que entro numa espiral de auto-depreciação… Já tive fases da minha vida em que era muito mais magra do que sou agora e mesmo assim tinha complexos de todos os tipos porque me achava gorda e não queria sair sequer de casa…
    E mesmo hoje em dia ainda me critico muito, também tenho imensos complexos com os meus dentes (por razões diferentes), entre issues com estrias, celulite e tudo mais.
    Mas a verdade é que quando olho para mim e penso tudo isso também penso que há tantas coisas mais relevantes e importantes sobre mim, que destruir-me por algo tão normal como ser humana não tem justificação!
    Espero que continues, mesmo que em passos pequenos, a caminhar na direção certa! És linda da forma que és! 😍

    1. São fases que temos de passar e aprender. De todas elas trazemos algumas lições e isso é o mais importante. Estrias e celulite todas as mulheres (e homens também) têm e não devemos fazer disso um bicho de sete cabeças quando é algo super normal. Tal como mencionaste, somos humanos e destruir-nos devido a isso mesmo é tão horrível e não há motivos para isso. Espero mesmo que continues a ver que não importa peso, celulite ou até estrias quando sente-te bem no teu próprio corpo. Muito obrigada! Beijinhos 💙

  16. Admito que ainda hoje não vou à praia… Parece um sítio que as pessoas tendem a olhar para as outras e julgar… Ou pelo menos é o que penso que estão a fazer quando, muuuuuuuito raramente, por lá apareço! Tenho muitas estrias devido a alguns problemas que tive e ainda hoje tenho vergonha de as mostrar… Mas é como dizes temos que ver a beleza que temos em nós. Porque na verdade eu não preciso sequer de a procurar… apenas de a reconhecer e valorizar…

    Obrigada por este texto. Beijinhos
    http://momentosdeataraxia.blogspot.pt/

    1. Exatamente. O primeiro passo a dar é aceitar o teu corpo e depois deixar de querer saber o que as outras pessoas possam pensar. Acredita que elas estarão mais preocupadas com o seu corpo do que com o teu. Beijinhos 💙

  17. Obrigada pelo destaque 🙂 Fico feliz por te ter inspirado a escrever esta partilha. beijinhos

    1. Eu é que agradeço minha querida. Beijinhos 💙

  18. Ohn, obrigado pelos comentários, meu bem 😀
    Quem dera que um dia possam ir aos Açores! Ia logo com eles eheh

    uma das minhas célebres máximas, é que somos mais do que um corpo e não nos podemos deixar limitar pelos olhares de terceiros e coisas que tais. A vida vai muito além disso e deve ser vivida sem preconceitos por sermos mais ou menos magros! Fico muito feliz por ver que saíste disso. É uma libertação enorme.

    1. É mesmo uma libertação enorme porque parece mesmo que nos sai um peso enorme das costas. Beijinhos 💙

  19. Nunca pensei em ser diferente, todos nós somos únicos, temos a nossa beleza e devemos ser felizes assim, o ser humano é único***
    Muitos beijinhos*

    1. Ainda bem que nunca te sentiste assim. Beijinhos 😘

  20. r: Tão bom *.*
    Obrigada eu por teres participado e contribuído para estas duas semanas tão especiais <3

    Beijinho grande

    1. Não tens de quê. Beijinhos 😘

  21. Revi-me nisto! Durante anos deixei de ir à praia! Sempre gostei do mar mas mostrar o meu corpo era impensável e a primeira vez que eu fui foi um custo mas acabei por adorar (apesar de que me sentia um pouco desconfortável com os olhares). Quanto à dentição, encaixo-me mas é algo que me custa falar – principalmente assim em comentários.
    Tu és linda! <3

    1. Eu sempre adorei mar e cada vez mais, mas andei mesmo a fugir imenso da praia. Este ano quero muito voltar lá. Voltar à paz que é estar ali, mesmo que nem esteja de fato de banho ou biquini. Olha querida, se quiseres estou cá para ti. Sei bem que pode ser complicado. Beijinhos 😘😘

  22. Gosto muito destes teus textos mais pessoais, é bom ver que já te aceitas como és! Querer melhorar é positivo, desde que não nos impeça de aproveitar a vida.

    beijinho grande

    1. Exato. Concordo completamente. Muito obrigada minha querida! 💙 Beijinhos

  23. Este texto poderia ser escrito basicamente na integra por mim… Identifiquei-me a 100%, estou aprender a aceitar o meu corpo, não que o queira ter durante muito tempo, estou num processo de emagrecimento, mas não quero odiá-lo como tinha feito até ao início do ano passado quando tomei a decisão de aprender a gostar de mim. Alterei o meu estilo de vida e ainda estou no longo caminho, nesta longa batalha…

    MRS. MARGOT

    1. Tens de gostar dele, mesmo que não estejas com o teu peso ideal. Esse sempre foi o meu defeito/erro. Há que amar mesmo antes de ver números na balança. Nunca te esqueças disso minha querida. Beijinho grande e força, que vai dar tudo certo! 💙

  24. Mesmo! E acredita que esse foi o único ponto negativo que encontrei no produto 🙁 odeio que seja menos prático e menos higiénico nesse sentido. Ainda assim, vale super a pena!

    1. Eu não gosto tanto de vários produtos por causa disso mesmo. Acredito que valha a pena. Irei testar. Beijinhos 💙

  25. Mafalda Moura says: Responder

    OBRIGADA pelo teu comentário, obrigada pela tua opinião e pelas palavras que força me deram e deparei me agora com este teu post e fiquei triste. Mesmo triste…porque fizeste me rever. Mas…fico contente por chegares a esse passo que muitas não chegam até. Demorou, mas chegaste cá!
    Andei todos estes anos a fazer criticas a mim mesma e a see demasiado exigente com o corpo que teimava não ficar como sempre ideializei e depois, obra de deus e da vida que me fez passar por uma experiência não menos boa em relação á aceitar como somos, e não criticar o que nos foi dado. Hoje sei, que era razoavelmente uma mulher vistosa. Todos me diziam mas eu tinha milhares de defeitos aos meus olhos. Era cheia de curvas. Umas curvas bem no sítio por sinal, ate que engravidei e engravidei de gêmeas. Gêmeas ate aos 9 meses. Onde teve que ser um parto provocado, teimosas como a mae que nao queriam nascer. Engordei 30 kg. 30!!!! Estava inchada e passei a gravidez a chorar a pensar no corpo que tinha e que tanto o critiquei. Como podia eu criticar sendo como era e como ia eu viver se ficasse conforme estava?! Foi das experiências mais horríveis. A minha gravidez. Mas, depoi de as ter, eu ate fui ai sitio rápido. Aquilo que eu tinha era inchaço e líquidos, mas uma coisa me ia atormentar para o resto da vida: as estrias que decidiram aparecer na barriga. O aspecto flácido de ter esticado tanto. Uma barriga de avental – era como se chamava. E como poderia eu criticar o meu antigo corpo se agora tinha que viver cim aquilo? Para mim era impensável. Eu chorava. Eu escondia-me. Eu perdi todo o brilho e fechei-me. Chegando mesmo a pensar em deixar o meu namorado por não conseguir ser eu. Dei a volta por cima, com a única solução qie me apresentaram, dispendiosa mas fiz. Uma abdomnoplastia. Onde retiram a pele flacida do abdômen e esticam te, retirando a parte das estrias. E ja lá vai ha 3 meses que renasci e prometi a mim mesma que me ia aceitar, amar e cuidar de mim mesma. Porque outra oportunidade assim, nao vou ter. Somos todas lindas e brilhantes. Temos todas uma beleza que só nós a podemos buscar de dentro para transparecer para fora.
    Obrigada por me fazeres contar esta história. Soube bem… se leste até ao fim, obrigada mais uma vez ♡

    1. Li, como é óbvio o teu comentário até ao fim. A minha mãe queixou-se do mesmo e foi só 1 bebé, neste caso eu, só que ela engordou 109kg o que é muito mais. Ela, tal como tu tinhas, ainda tem a pele toda flácida e adorava também fazer uma abdomnoplastia só que é ainda algum dinheiro. É de facto importante conseguirmos aceitar-nos com todas as peles, barrigas descaídas, peitos caídos, estrias e celulite. É extremamente importante mesmo. Fico feliz por teres finalmente visto que o corpo que tinhas antes era lindo e que a única que não via isso eras tu (eu tive a mesma reflexão este último ano e choca um pouco). Muitas vezes criticamos tanto sem ter motivo para tanto. Já eras linda com aquela barriga. E espero claramente que tenhas noção disso. Muito obrigada por teres partilhado a tua história comigo. Senti-me lisonjeada. Beijinho grande 💙

  26. Sabe sempre bem abraçar esse processo de mudança, principalmente quando sentimos que é para melhor. Confesso que hipnose nunca experimentei, mas tenho uma certa curiosidade 🙂
    Espero que consigas, porque, pessoalmente, acho que é um livro que vale a pena ter.
    Eu é que agradeço, minha querida <3

    1. Deverias experimentar. Faz um bem danado, que nem te consigo descrever em palavras. É um enorme peso que sai dos ombros. Irei tentar mesmo. Beijinhos 💙

  27. É exatamente isso, meu bem. Entretanto já falei com ela e ficou de me dar uma nova data de consulta 😀 Sinto que estou a precisar de lá ir e de colocar algumas ideias em ordem!
    Fico feliz por tudo se estar a compor contigo e com a tua situação. Step by step, always <3
    Obrigado!!!

    1. Fazes muito bem. Devagarinho vai ficando tudo bem. Muito obrigada. 💙 Beijinhos

Deixe uma resposta