A mentira pode assombrar-nos

Depois de assistir ao filme 7 Minutos Depois da Meia Noite e de chorar aos potes, refleti imenso. Neste mesmo, são contadas 4 histórias e a última é a verdade/pesadelo de um dos personagens principais.

Com tudo isto, e com toda a revolução que tive na minha vida, pensei em qual seria a minha verdade – a verdade que escondo de mim própria, a mentira que conto-me todos os dias, o meu maior pesadelo –, e foram algumas noites a pensar no que tinha medo e não demonstrava. No que acreditava, sem acreditar e cheguei a algumas conclusões.

Será que aceitei-me por inteiro?

Aceitei-me finalmente após 17 anos numa luta constante entre oscilações de peso, bullying, mutilação, tentativa de suicídio e vários sentimentos à mistura, porém será que sou a única que quero acreditar nisto? Será que deixei de querer saber o que as pessoas pensam acerca de mim? Eu pensava que sim, mas não. Isso foi apenas uma mentira que eu queria acreditar. Não posso convencer-me de algo que não é verdade.

“Vocês acreditam em mentiras confortáveis, embora saibam a verdade dolorosa que torna essas mentiras necessárias.”

A pior coisa que podia dizer a mim mesma – e é aquela que digo diariamente – é que eu aceito-me, mas gostava que os outros o fizessem também. Quando nos aceitamos por inteiro, as opiniões alheias são descartadas e desprezadas. Contudo, ter que estar na frente de alguém e lidar com aquele olhar de reprovação, não me desce a garganta. O nó fica ali, a angústia também e a ansiedade, como boa participante, começa a dar de caras.

Nem sempre o botão “f$da-se” vai se ligar quando queremos

Ele irá demorar, porém ele virá no momento certo e eu sei que sim. Por mais que goste do que vejo, não posso obrigar ou estar à espera que os outros gostem também. Seria hipócrita da minha parte se quisesse ser aceite por todos, visto que eu própria não aceito todo o mundo. Eu franzi já muita vez o nariz, já paguei pela língua um tanto de vezes, já cometi muitos erros também. Acima de tudo, consigo respeitar as pessoas e os seus corpos, porque eu própria, por longos anos não aceitei o que via no espelho.

Acho que depois de desabafar e de refletir sobre isto, finalmente entendi que não necessito que todos me aceitem. De verdade. Custa muito sim, quando nos olham de lado, cochicham, porém devemos estar mais preocupados connosco, na nossa vida, nos nossos projetos e deixar as pessoas que, aparentemente, não têm algo melhor para fazer, falarem à vontade e pensarem o que quiserem.

Devemos preocupar-nos mais com quem aceita tanto o nosso físico como o psicológico, e focar-nos naquilo que apenas faz-nos bem. Se alguém falava contigo por mensagem e ao ver-te pessoalmente não gostou de ti, devido ao teu corpo, ignora. Vai doer sim, mas vai passar. Tudo passa, essa é a verdade. Teremos de lidar com essas pessoas, apenas se quisermos. Podemos ligar o botãozinho e ir à nossa vidinha. Felizes e contentes, de braços abertos para o que a mesma tem a oferecer-nos.

O destino tratará de colocar no teu caminho, as pessoas que ficam independentemente de tudo e as que fogem à primeira tentativa. Até lá, não te mintas. Não digas que acreditas, sem acreditar. Apenas confessa o que sentes e tenta melhorar. No fim, dará tudo certo!

Share Button
  1. Identificate says: Responder

    Ainda esta semana comprei uma moto que era um dos meus sonhos e depois fiquei receosa de correr mal de me magoar, de dar problemas, mas é um sonho e posso não abusar no dia a dia com ela mas trabalhei já alguns anos e foi a minha prendinha.
    Nós temos de lutar pelos sonhos e ser felizes e nunca desistir. A vida é o passar dos dias e nós podemos escolher lutar pelo mais dificil ou passar a vida a viver só por viver.
    Beijinhos

    1. Não podia dizer melhor. Há que viver tudo ao máximo. Muitos parabéns pela conquista! Beijinhos 😚😌

  2. A ideia desta publicação é fantástica! Porque, de facto, a oscilação entre a verdade e a mentira que podemos contar a nós próprio acaba por ser uma linha muito ténue.
    Aceitar quem somos demora – por vezes, demasiado -, mas, claro, nem sempre é fácil filtrar os comentários de terceiros. Sobretudo no início. Finalmente, olhamos para nós e gostamos, contudo, se sentirmos que alguém faz qualquer observação menos positiva, a nossa confiança fica melindrada. Mas acredito que isso também se trabalha, ao ponto de sermos capazes de desvalorizar, porque compreendemos que não são esses comentários que nos definem.
    Sermos verdadeiros connosco – mesmo que essa verdade custe – é fundamental, até porque só assim conseguiremos atingir os objetivos pretendidos.

    Beijinhos, minha querida <3

    1. É mesmo complicado no início. Ainda tenho uma grande caminhada pela frente. Custa muito mas sei que hei-de chegar lá. Fico feliz por teres gostado. Beijinhos 😚😚

  3. Cassy Frost says: Responder

    O ser humano sobrevaloriza imenso a opinião dos outros, mesmo sendo de pessoas tóxicas… Acho que é algo que nunca iremos desaprender, apenas aprender a tentar diminuir a sua importância sobrevalorizando outras, nunca eliminando por completo…

    1. É mesmo. Não podia dizer melhor. Beijinhos 😘

  4. r: Precisamos mesmo 🙂
    Oh, tão bom ler isso, muito obrigada, minha querida!

    Beijinho grande*

    1. Não tens de quê. Beijinhos 😘

Deixe uma resposta